Saúde e qualidade de vida: a maioria que já passou dos 60 sabe a importância dessas palavras. O Brasil tem mais de 28 milhões de pessoas a partir dessa faixa etária e, de acordo com o censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), esse percentual tende a dobrar nas próximas décadas. Este “novo idoso” está cada vez mais ativo, bem informado e cuidadoso com a saúde.

Um dos principais motivos do envelhecimento saudável, além de se cuidar antes para chegar à terceira idade bem, como já falamos por aqui, é de manter a prática de atividades físicas, alimentação balanceada e, sim, a ingestão de suplementação alimentar para idosos (vitaminas, minerais e nutrientes) quando necessário, para auxiliar no bom funcionamento do organismo, proporcionando qualidade de vida.

suplementação alimentar para idosos

E de que forma ele age? O suplemento, prescrito por geriatras e nutricionistas, pode fornecer ao corpo do idoso os nutrientes de que ele mais precisa nesta fase. Mas vale lembrar que não são milagrosos; ser saudável na terceira idade significa se cuidar por completo, não esquecendo da alimentação e exercícios, por exemplo.

Outro benefício da suplementação alimentar para idosos é no auxílio ao combate de algumas doenças que ocorrem com o avanço da idade. A perda de peso involuntária, falta de nutrientes no organismo e menos massa muscular podem ser controlados. Além disso, a maturidade fisiológica faz com que o metabolismo seja mais lento, e aí os multivitamínicos também complementam e ajudam.

Além disso, neste momento que vivemos, no qual idosos são mais vulneráveis a contrair o coronavírus, outros cuidados com a saúde são essenciais: é necessário manter as medicações regulares, obedecer ao isolamento social, higienizar as mãos, beber muita água e alimentar-se bem para ficar com a imunidade em dia!

Suplementação alimentar para idosos: dose diária de nutrientes

A necessidade individual, avaliada pelo médico do idoso, é que vai determinar o uso da suplementação. Ao longo dos anos, o colágeno, cálcio, vitamina D, B12 e zinco costumam diminuir na terceira idade e, para saber se há deficiência nutricional, geralmente a avaliação é realizada com exames clínicos e investigação médica, a partir de alguns sintomas que podem surgir devido ao déficit de nutrientes e carboidratos, como cansaço, perda de apetite, baixa imunidade, enfraquecimento dos ossos e cicatrização lenta. 

E como funciona essa suplementação alimentar para idosos? Em formatos de cápsula, pó, pastilha, líquido ou tablete, ela garante dose diária de vitaminas, minerais e fibras. Ou seja, os suplementos não são considerados medicamentos, e sim, auxiliares diretos na melhora da saúde, fortalecendo o organismo e aumentando a qualidade de vida na terceira idade.

É importante destacar que, se você ainda não chegou à terceira idade, ingerir suplementos hoje não imune alguma intervenção que possa ocorrer quando idoso.

A indicação da suplementação alimentar para idosos é avaliada caso a caso e, por isso, são fundamentais o acompanhamento e a recomendação de um profissional da área – o uso indevido não trará o efeito desejado. Não se automedique, procure tirar dúvidas e seguir orientações do geriatra. E lembre-se: os suplementos devem ser associados à atividade física e alimentação balanceada; nada de usar como substitutos de refeições.