Todos sabemos a importância de praticar atividades físicas. Elas ajudam na perda de peso, na melhoria da capacidade cardiovascular, na manutenção das massas ósseas e muscular, e ainda podem ser aliadas importantes no tratamento de algumas doenças, como hipertensão arterial sistêmica (“pressão alta”), diabete mélito e depressão, entre outras.


Porém, com o aumento do número de praticantes de atividade física, o número de pacientes com lesões relacionadas a elas vem crescendo. E por que as lesões aparecem? O que podemos fazer para diminuir a incidência delas?

Parte das lesões é difícil evitar. Uma entrada dura no futebol, pisar inadvertidamente em um buraco, escorregar, aterrissar de um salto sobre o pé de alguém são riscos que corremos e que fazem parte do esporte. As lesões desse grupo são um pouco mais difíceis de prevenir, e felizmente menos comuns.


Já a maior parte das lesões que chegam ao consultório é potencialmente evitável. Elas ocorrem basicamente por 2 motivos: gesto esportivo ruim e carga de treinamento excessiva.


O gesto esportivo bem feito, uma boa execução do movimento usado na prática esportiva depende da sinergia entre os diferentes músculos do corpo. Cada gesto simples envolve interações complexas entre diferentes grupos musculares. Para ter um bom gesto esportivo é necessário ter boa técnica, bom equilíbrio muscular, flexibilidade, mobilidade articular, coordenação, entre outras coisas. Quando algum desses fatores é deficitário o corpo desenvolve movimentos compensatórios inconscientes para a realização das tarefas, ou sobrecarrega alguma estrutura, o que favorece o surgimento de lesões.


Já a carga de treinamento pode ser dividida em dois componentes: carga externa de treinamento (CET) e carga interna de treinamento (CIT). Simplificadamente, carga externa de treinamento corresponde ao estímulo a que nosso corpo é exposto durante a atividade física e carga interna de treinamento é como o nosso corpo sente e responde ao estímulo.


A carga externa de treinamento pode ser dividida em duas partes: volume (o tempo que passamos dando o estímulo) e intensidade do estímulo. A carga interna depende da condição do nosso corpo (psicológica, nutricional, descanso, vivência esportiva, acúmulo recente de cargas externas…). Cargas de treinamento muito baixas (por volume ou intensidade baixos, ou descanso excessivo) não promovem as adaptações fisiológicas desejadas. Por outro lado, cargas muito altas (por volume ou intensidade muito altos, ou descanso inadequado) podem exceder a capacidade adaptação do corpo e causar lesões e “overtrainning”, por exemplo.


Se você ainda não teve lesões ou vai começar a praticar atividade física, leve essas informações em conta. Se você já teve a lesão eu posso te ajudar.

A Clínica Morumbi é especializada em Ortopedia de joelho, coluna, mão, punho, pé, quadril e está localizada dentro do Shopping Morumbi. Clique aqui para conversar com o time.