Fraturas na Infância

Crianças estão mais suscetíveis às fraturas do que os adultos devido às ações comuns da idade, como correr, brincar, pular, aprender a andar e outras.

O tratamento, resultado e prognóstico de uma fratura, estão relacionados a fatores como idade da vítima, gravidade, tipo e localização do trauma.

Dor do Crescimento

São dores que normalmente se manifestam nas coxas, panturrilhas ou atrás dos joelhos de crianças durante a noite.

Trata-se de uma condição benigna, de evolução crônica e de curso autolimitado, acometendo de 10% a 20% das crianças e obrigatoriamente, deve ser diferenciada de outras causas de dor presentes em doenças mais sérias.

A dor pode surgir em todo o período de crescimento, até os 18 anos de idade, mas é mais comum nas crianças em idade escolar, principalmente na faixa entre 5 e 10 anos.

Pé Chato Infantil

Também conhecido como pé plano, é uma situação comum na infância e pode ser identificada quando toda a planta do pé encosta no chão, não formando o arco do pé.

Pé Torto Congênito

Também conhecido como pé torto congênito equinovaro, é uma má formação congênita em que o bebê já nasce com um pé virado para dentro, podendo ser vista a alteração em apenas um dos pés ou nos dois.

É uma deformidade complexa que compromete todos os tecidos musculoesqueléticos distais ao joelho.

Displasia do Desenvolvimento do Quadril

É uma má formação do quadril onde geralmente a cobertura da cabeça do fêmur é insuficiente.

A gravidade do quadro é variável, podendo haver desde pequenas alterações que podem passar despercebidas por um longo período, até luxações, quando o quadril já nasce totalmente “desencaixado”.

Artrogripose

É o nome dado à malformação das articulações do bebê, ocasionando limitação de movimento e menor força muscular.

Coxa Vara

É uma deformidade do quadril onde o ângulo da diáfise do colo femoral é diminuído, resultando no encurtamento da coxa e no desenvolvimento de andar claudicante.

Osteogênese Imperfeita

Também conhecida como doença de Lobstein ou doença de Ekman-Lobstein, “ossos de vidro” ou “ossos de cristal”, é uma condição rara do tecido conjuntivo, de caráter genético e hereditário.

Na osteogênese imperfeita, a síntese de colágeno, um dos componentes normais do osso, é deficiente, assim os ossos se tornam frágeis e fraturam facilmente.

Diferença de comprimento dos membros

É uma situação em que uma perna é mais curta que a outra. 

Normalmente temos uma perna um pouco maior que a outra, mas, quando essa diferença passa de 2 centímetros, pode representar um risco para o desenvolvimento das articulações dos membros, alinhamento da bacia da coluna, e, portanto, deve ser vistas com maior atenção.

Pseudoartrose congênita da Tíbia

É uma má formação óssea da tíbia, evoluindo com deformidade e, muitas vezes, uma fratura na qual o osso nunca se regenera.

Sem tratamento, resulta em deformidade e prejuízo permanente da função, como por exemplo uma perna torta e incapaz de suportar peso ou andar.

Epifisiólise Proximal do Fêmur

É o deslocamento do colo do fêmur em relação à epífise femoral, ou seja, é o escorregamento da cabeça do fêmur na bacia. 

Condição que ocorre em adolescentes e pré-adolescentes que ainda estão crescendo. 

Seu diagnóstico e tratamento devem ser feitos com urgência para minimizar a chance de sequelas como dor e artrose no quadril.

Osteocondrite Dissecante

É uma condição na qual o osso sob a cartilagem de uma articulação morre devido à falta de fluxo sanguíneo. Isso resulta em um pequeno pedaço do osso se separando do membro maior, causando dor e dificultando o movimento das articulações.

Doença de Legg-Calvé-Perthes

É mais comum em crianças do gênero masculino entre 4 e 8 anos, caracterizada pela diminuição do fluxo de sangue na cabeça do fêmur, na região do quadril durante o desenvolvimento.

Doença de Blount

Também chamada de tíbia vara, é caracterizada pela alteração no desenvolvimento do osso da perna, a tíbia, levando à deformação progressiva em arqueamento.

Infantil: quando se observa em ambas as pernas de crianças entre 1 e 3 anos, sendo mais relacionada à marcha precoce;

Tardia: quando se observa em uma das pernas de crianças entre 4 e 10 anos ou de adolescentes, sendo mais relacionada ao sobrepeso.

Paralisia Cerebral

É uma das deficiências mais comuns na infância, caracterizada por alterações neurológicas permanentes que afetam o desenvolvimento motor e cognitivo, envolvendo o movimento e a postura do corpo.

Mielomeningocele

Também conhecida como espinha bífida aberta, é uma malformação congênita da coluna vertebral da criança em que as meninges, a medula e as raízes nervosas estão expostas, causando disfunções de graus variados aos membros inferiores.

Distrofias Musculares

São um grupo de mais de 30 doenças genéticas, muitas delas ligadas ao cromossomo X, caracterizadas por fraqueza e atrofia muscular de origem genética que ocorre pela ausência ou formação inadequada de proteínas essenciais para o funcionamento da fisiologia da célula muscular, cuja característica principal é o enfraquecimento progressivo da musculatura esquelética, prejudicando os movimentos.